Página inicial / notícias / leis e direitos / governo do rio de janeiro

Notícias

Publicado em 31/10/2012

Candidata do Distrito Federal é a grande vencedora do Miss T Brasil 2012

Ontem (30) aconteceu o Miss T Brasil 2012, no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro. O evento foi uma idealização da ASTRA-RJ e teve como objetivo dar visibilidade para travestis e transexuais, afirmando suas identidades e descontruindo o estereótipo negativo que existe a respeito delas. O concurso elegeu Marcela Ohio, candidata do Distrito Federal, como a mais bela da noite. Ela representará o Brasil no “Miss International Queen 2012”, competição de beleza mundial para esse segmento, que acontecerá em novembro na Tailândia.


Marjorie Machi, organizadora e apresentadora do evento, destacou a alegria em realizar o Miss T Brasil: "estamos aqui hoje atraindo visibilidade para essas meninas, com o desejo de realizar o sonho de uma sociedade mais justa e igualitária. Graças à generosidade e carinho dessas lindas mulheres que participam essa noite, podemos adentrar pela porta da frente deste espaço publico, afirmando nossa identidade e dizendo a gente não quer só comida, quer comida, diversão e arte. Meninas vocês são vencedoras e quero registrar aqui o meu agradecimento. Podem se preparar para encantar essa plateia!", exclamou Marjorie ao abrir o concurso.

Ariadna Arantes, primeira transexual a participar do reality show Big Brother Brasil, também apresentou o evento. Linda, ela agradeceu o convite e ressaltou a importância da festa: “depois da minha participação no BBB muita coisa mudou. É muito bom saber que minha presença no programa abriu portas para as transexuais e travestis. Devemos ser respeitadas e esse evento mostra que nós também temos direito de manifestar nossa beleza.”.


O presidente do júri e superintendente estadual de direitos individuais, coletivos e difusos, Cláudio Nascimento, lembrou o primeiro concurso realizado em 93. "Naquela ocasião adotamos um lema: “Cidadania não tem roupa certa”. O Miss T acontece num momento para consagrar essa ideia. Os direitos humanos só existem se forem para todos. Trazer um conceito de concurso de beleza, que sempre foi usado numa perspectiva hetero, para uma perceptiva da transexualidade é uma vitória. E essas mulheres aqui hoje fazem do seu sonho um desejo de mudança. Nós, do governo do estado do Rio de Janeiro estamos aqui reconhecendo essa mudança, apoiando e incentivando a construção de um futuro melhor. Viva as travestis e transexuais!", celebrou o coordenador do Programa Rio Sem Homofobia.


O evento contou ainda com shows de Jane Di Castro, Claudia Celeste, Angélica Ravache, Jaqueline Uchoa a Edilene Água Suja.

 

Foto: Rodrigo Gorosito/G1

 

Informações para imprensa
Márcia Vilella | Felipe Martins
ASCOM SuperDir | SEASDH
(21) 2284-2475 | 8158-9692 | 8097-7558