Página inicial / notícias / leis e direitos / governo do rio de janeiro

Notícias

Publicado em 29/05/2013

Programa Estadual Rio Sem Homofobia lamenta morte de homossexual encontrado desacordado em boate na Zona Oeste do Rio de Janeiro

Centro de Cidadania LGBT da Capital continuará acompanhando a investigação do crime

Desde a manhã de ontem (28), quando foi informado a respeito do caso, o Programa Estadual Rio Sem Homofobia, da Superintendência de Direitos Individuais, Coletivos e Difusos, da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, acompanha de perto as investigações sobre o espancamento de Luiz Antônio Jesus, de 49 anos, encontrado desacordado no banheiro da Boate Queen, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, na madrugado do último sábado (25).

A equipe do Centro de Cidadania LGBT – Capital, acompanhada da coordenadora do Centro, Sheila Corrêa, se dirigiu até a 32° Delegacia de Polícia, na Taquara, para ter mais detalhes sobre o andamento do caso. Na ocasião os advogados do Centro de Cidadania convenceram o delegado a investigar o crime com o motivo presumido ‘homofobia’, fazendo valer um direito conquistado pelo programa. Em 2009, após uma articulação entre o Rio Sem Homofobia e Chefia de Polícia Civil, o Governo do Estado do Rio de Janeiro incluiu a homofobia como motivo presumido de crime nos registros de ocorrência policial.

Além disso, o Centro de Cidadania - Capital presta todo o apoio psicológico e social à família. “Quem sofre uma violência como esta demora a se restabelecer socialmente”, comentou Sheila. Na tarde do dia 28, Luiz Antônio faleceu no hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, para onde havia sido levado. A equipe multidisciplinar do Centro de Cidadania seguirá acompanhando o caso: “mesmo com a morte, seguiremos oferecendo todo respaldo à família”, garantiu Sheila Corrêa.

O coordenador do Programa Estadual Rio Sem Homofobia, Cláudio Nascimento, entrou em contato com a família da vítima e lamenta o ocorrido: “foi com imenso pesar que recebi a notícia do falecimento do Luiz Antônio. A partir de agora, intensificaremos ainda mais o acompanhamento da investigação junto à polícia, para garantir que esse crime bárbaro não fique impune. Estaremos à disposição da família para prestar todo o apoio psicológico e jurídico necessários, tentando acalmar o sofrimento da família pela perda”, diz Cláudio. Após a morte da vítima, o caso passou a ser investigado pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil.

Informações para imprensa
Márcia Vilella | Felipe Martins | Natália Vitória
ASCOM SuperDir | SEASDH
(21) 2284-2475 | 8158-9692 | 7965-4313